28/07/2010

Centenário de Cândido Canela

  • Nasceu em Montes Claros, a 22 de agosto de 1910 e faleceu em 07/03/1993 (Montes Claros);
  • Filho de Antonio Canela e de Luiza Simões Canela;
  • Passou toda sua infância na fazenda Vargem Grande, de propriedade de seu pai. (Hoje Rodoviária, Shopping e loteamento);
  • Casou-se com Laurinda Prates de Souza Canela (Falecida);
  • Foi Normalista (O único homem de uma turma de 20 mulheres)-Seu pai queria que fosse médico;;
  • Foi escoteiro;
  • Seresteiro;
  • Revolucionário (1930);
  • Radialista: Na década de 50, mantinha na antiga ZYD-7 o programa "Alma
    cabocla" – dirigido e apresentado por ele. Formava com Antonio Rodrigues a dupla caipira "Chico Pitomba e Mané Juca", com apresentações também na D-7, que levavam o auditório a se sufocar no riso;
  • Editou um jornal humorístico> "O Gangorra", na década de 40- Satírico e muito crítico;
  • Jornalista: Durante 40 anos foi colaborador da Gazeta do Norte do seu amigo "Jair de Oliveira". Colaborou também com O Jornal de Montes Claros, de outro amigo, o Dr. Oswaldo Antunes;
  • Tabelião do Cartório do 1º Ofício por quase 50 anos;
  • Livros publicados: Lírica e Humor do Sertão e Rebenta Boi;
  • Escreveu uma novela, que foi publicada pela Gazeta em capítulos;
  • Com o pseudônimo de "Espiridião Santa Cruz", escrevia cartas como se fosse um montesclarense, que vivia em São Paulo e estava afastado há mais de 30 anos desta cidade. As cartas, muito líricas, eram publicadas na Gazeta do Norte. Eram tão interessantes, que muitos leitores diziam ter conhecido Esperidião.
  • Vereador por dois mandatos,foi o primeiro a levantar a bandeira ecológica na região. Através de um Projeto de sua autoria, promulgou a Lei nº 355, de 12 de abril de 1.957, proibindo a derrubada ou corte da árvore "pequizeiro" (cariocar brasiliense), "coqueiro",
    "macaúba" e "pananzeiro" ou "árvore cabeça de negro";
  • Criou a Lei da "Semana Inglesa", trazendo os plantões de táxis e farmácias, além de beneficiar comerciários;
  • Valorizou o ser humano, utilizando-se do sertanejo, o matuto que representa ou representava as reais virtudes do homem: a honestidade e a essência;
  • Vários poemas sertanejos foram musicados por seu grande amigo e admirador, Téo Azevedo,entre eles: "Saracurinha Três Potes" e Ternos Pingos de Saudade".Com este último, participaram os autores de concurso musical, a nível nacional, da Rádio Record, de São Paulo, sendo classificados. Letra e música, em primeiro lugar geral, o que proporcionou premiação em dinheiro e lindo troféu.




Fonte: Secretaria Municipal de Educação (Com textos de Reivaldo Canela e entrevista a Haroldo Lívio e Waldyr Senna Batista em duas edições do Jornal de Domingo- O Jornal de Montes Claros – de 12.10.80 e 19.10.80 -p.7 a 10 – Material cedido pela neta do autor).

In: descortinandoasletras.blogspot.com

Um comentário:

ETC e MAIS disse...

Ótima fonte de pesquisa e interessante lembrança do centenário deste celebre montesclarense.